Meu Diário
16/04/2019 00h13
AMIGA CHUVA

            Muita gente fica surpresa quando eu digo que tenho uma relação bem íntima com a chuva, é como se ela sentisse os meus sentimentos e nos momentos de dores na alma, que ninguém sabe onde está doendo, só ela sabe, e me cobre com suas nuvens, e que me molha com os seus pingos, como se quisesse compensar as minhas lágrimas, me acalentar com o seu chuviscar.

            Assim amanheceu o dia. Muita nuvem no horizonte, a chuva fina a cair ininterruptamente. Fiquei tentado a sair e me abraçar com ela na beira da praia, caminhar com ela pela areia, sentir o seu frio na minha pele; não teria vergonha de chorar pois os seus pingos disfarçariam minhas lágrimas dos olhares curiosos.

            Sei que ela bloqueia o sol, a minha referência de Deus no mundo material. Mas ela é minha amiga e ei que ela também é criação de Deus. Sei também que suas gotas são formadas do “suor” que sobe ao céu da própria Terra. Talvez nelas estejam o suor daqueles que tanto trabalham para sobreviver, que correm daqui para ali, dali para cá, as vezes sem uma palavra de carinho, de solidariedade, envolvidos em críticas, maledicências, pedindo também ajuda do Pai...

            Talvez seja isso que minha amiga chuva queira dizer com o frio límpido de suas gotas: olha Francisco, as tuas lágrimas têm o mesmo sabor espiritual das minhas gotas, que sobem para mim, para perto do Pai, cheias de sofrimento. Por que motivo tu percebes as minhas nuvens tão escuras? São as dores da humanidade, cheias de preconceitos, de pecados, que precisam ser lavadas para que minhas nuvens se tornem brancas. Assim também, tuas lágrimas devem lavar tua alma para que ela se livre dos preconceitos, dos pecados que querem te dominar, e torne o teu coração mais uma vez impecável frente ao olhar do Pai.

            Fiquei a refletir sobre o que minha amiga falou. Fico a observar o movimento revolto de suas nuvens ao sabor da força dos ventos, vejo uma se chocar com as outras e surgir faíscas de intolerância que ás vezes deixa cair raios perigosos sobre a terra, que ribombam nos céus como o troar de mil tambores, trazendo sustos a quem está por perto. Nada comparado aos sentimentos que agitam os meus pensamentos, que causam descargas emocionais sobre o meu coração, mas felizmente ninguém escuta o seu rimbombar como eu, pois teriam mais pavor do que eu.

            Talvez este seja o motivo da nossa tão forte amizade. Nós sofremos as consequências do mundo material, enquanto suas nuvens recebem da terra todo o sofrimento físico que ai acontece, a minha mente recebe dos relacionamentos egoístas todas as consequências afetivas desnorteadas. Só podemos limpar tudo isso com os pingos das chuvas ou com as gotas das lágrimas.


Publicado por Sióstio de Lapa em 16/04/2019 às 00h13
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr